Deficiências imunológicas são mais graves na infância

Especialista explica tipos de imunodeficiências que podem necessitar de transplante de medula

jorusp

As imunodeficiências são um grupo de doenças em que o paciente possui alguma falha no sistema imunológico. Essa falha facilita o aparecimento de algumas doenças, em especial infecções, mas pode haver outros sintomas, como doenças autoimunes e diarreias, entre outras complicações. A doutora Cristina Maria Kokron, do Departamento Científico de Imunodeficiências da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai), médica assistente do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina (FM) da USP e coordenadora do Ambulatório de Imunodeficiências Primárias do HC, explicou os tipos de imunodeficiência.

Foto: Ascom/Hoiol via Fotos Públicas

Ela esclarece que existem duas formas de imunodeficiências: as primárias, que surgem na infância e são mais graves, e as secundárias, que ocorrem durante a vida e são temporárias. Os quadros mais graves de imunodeficiência primária são chamados de deficiência combinada grave. Nossa resposta imunológica depende dos glóbulos brancos e dos linfócitos. As crianças que nascem com uma quantidade de linfócitos muito reduzida possuem esse problema, que se manifesta logo no início da vida. O tratamento se dá através do transplante de medula óssea.

Os quadros que se apresentam na vida adulta são de comprometimento da produção de anticorpos. Com a reposição dos anticorpos, o paciente consegue ter uma vida bem próxima ao normal. Em casos específicos, como tratamentos quimioterápicos, a doutora ressalta que a queda na imunidade é temporária e a resposta imunológica do paciente retornará ao normal com o fim da medicação. Pessoas com alergias respiratórias tendem a ter queda na imunidade e precisam fazer o tratamento adequado para diminuir as chances de infecções.

Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular. Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

Textos relacionados