Cooperativas brasileiras estão imunes à crise econômica

Setor sobrevive por ter estrutura mais maleável que empresas, diz professor da Fearp

Por - Editorias: Atualidades, Rádio USP
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn1Print this pageEmail

Enquanto o Brasil tenta sair da pior crise econômica de sua história, um setor continua a manter o mesmo desempenho sem se deixar atingir pelos efeitos da recessão econômica. São as cooperativas.

Alguns números provam que as cooperativas continuam sólidas e atrativas. Elas mantêm o mesmo nível de emprego para 372 mil trabalhadores e beneficiam direta ou indiretamente 51,6 milhões de pessoas.

Montagem sobre foto de Jim Makos/Flickr/CC

As cooperativas de crédito são as únicas instituições financeiras em 564 municípios brasileiros; as de eletrificação atendem a 807 municípios e 38% dos brasileiros que têm assistência médica são atendidos por cooperativas de saúde.

As cooperativas transportam 428 milhões de toneladas de produtos por ano e 48% de toda produção agrícola brasileira; quase a metade passa, de alguma maneira, por uma cooperativa agropecuária.

O volume de recursos movimentados pelas exportações realizadas por 240 cooperativas brasileiras soma US$ 5,137 bilhões. O destino dessas exportações são 147 países. Os dados foram revelados pela revista Expressão do Cooperativismo Gaúcho 2017.

O professor Marcelo Botelho da Costa Moraes, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (Fearp) da USP, afirma que as cooperativas ficam mais imunes às crises econômicas porque possuem estruturas mais maleáveis que as empresas e chegam até a absorver parte da mão de obra desempregada, principalmente na área de serviços e agropecuária.

Por Ferraz Junior

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn1Print this pageEmail

Textos relacionados