Congelamento de óvulos é previdência para gravidez

O procedimento é um recurso para o adiamento da maternidade

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Rui Ferriani, vice-diretor, professor do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia e chefe do Setor de Reprodução Humana  da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP-USP),  fala do processo de congelamento de óvulos, método cada vez mais utilizado para adiar a gravidez.

O professor esclarece que se trata de um recurso recente e ainda pouco acessível, por conta do alto custo financeiro. Para Ferriani, as crescentes demandas sociais das mulheres são um dos principais motivos para o interesse em postergar a gravidez, uma vez que a limitação da reserva do ovário é um fator que a medicina ainda não controla. O procedimento surge como uma espécie de “seguro” para muitas mulheres, explica o médico.

O médico comenta também sobre os tratamentos de fertilização. Esclarece que não garantem a gravidez, e enfatiza que a infertilidade é uma condição que prejudica bastante o bem-estar do indivíduo e do casal.

Rui Ferriani conclui que é preciso destacar a importância do planejamento familiar, e ressalta também que o ideal é engravidar por volta dos 30 anos, respeitando o processo natural de envelhecimento.

O Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados