Ciro Marcondes Filho comenta origem eugenista do racismo

O colunista relata como teorias científicas mascaram, como biológicos, os conflitos sociais

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail
20161004_racismo+cientifico_colunistaciro
Visual Hunt

A coluna “Ciência Feliz” desta semana aborda a temática racial. O professor Ciro Marcondes Filho relata que 200 anos atrás, quando o iluminismo imperava na Europa, os homens do velho mundo queriam apresentar as bonanças da civilização aos selvagens. Ele acredita que o pensamento colonialista provinha deste mito de que o homem branco ocidental é superior.

Marcondes afirma que a questão racial veio para naturalizar as desigualdades. Ele cita o caso de Francis Galton, antropólogo inglês que criou a teoria do “Eugenismo Social” ou a ciência do melhoramento das linhagens. Galton considerava que os homens têm destinos sociais diferentes: uns dão certo, outros não. Ele dizia que as reputações são intrínsecas aos seres e hereditárias, fazendo com que o controle das uniões matrimoniais fosse necessário.

O professor aponta que a teoria de Galton ignorava as desigualdades sociais, deixando toda a exclusão a cargo dos conflitos biológicos. Para Marcondes, esta era uma estratégia para mascarar os conflitos sociais de biológicos a fim de negá-los, o que configura, segundo ele, um racismo mais sutil e difícil de erradicar do que o ordinário, que se alimenta das aparências.

Ouça a coluna completa:

logo_radiousp

 

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados