Brasil está entre os países menos inovadores do mundo

Para professor da USP, falta de incentivos fiscais às empresas é o principal motivo

jorusp

O setor privado investe pouco em pesquisas de inovação e, quando investe, os projetos contam com recursos do Estado. O dado foi constatado através de pesquisa encomendada pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) ao Massachusetts Institute of Technology (MIT), renomada universidade de pesquisa norte-americana. O professor Paulo Feldmann, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP, falou sobre as razões desse baixo investimento.

Segundo o economista, existem dois principais motivos para que o Brasil ocupe posições tão baixas quando o assunto é inovação. O primeiro é a quantidade pequena de grandes empresas que existem no País. Em uma lista recente divulgada pela Forbes, das 2 mil maiores empresas do mundo, apenas 1% é brasileira. A outra razão, ainda mais importante, é a falta de incentivos fiscais para que se desenvolvam pesquisas. No Brasil, não existe a cultura de dedução de impostos para as empresas que investem em pesquisas.

Um dos caminhos apontados no relatório divulgado pelo MIT foi o de que o Brasil crie uma agenda que estimule o crescimento no ramo da inovação. O professor Paulo Feldmann ressalta que faltam políticas públicas nessa área. É necessário fomentar a união de empresas, incentivando a criação de incubadoras. O especialista aponta, ainda, que a formação de engenheiros no País precisa aumentar. É uma profissão essencial para inovação e, mesmo com boas escolas, o número de formandos na área é muito baixo.

Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular. Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

Textos relacionados