Atletas de inverno brasileiros precisam improvisar treinamentos

Delegação conta com dez esportistas que disputarão cinco modalidades na Olimpíada de Inverno

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Ocorre em PyeongChang, na Coreia do Sul, entre os dias 9 e 25 de fevereiro,  a vigésima terceira edição dos Jogos Olímpicos de Inverno. O Brasil, apesar de ser um país tropical, também marca presença na competição, com dez representantes competindo em cinco modalidades. A professora Katia Rubio, da Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo, explica como ocorre a preparação desses atletas. Alguns acabam adaptando a modalidade para conseguir praticá-la dentro do Brasil, indo vez ou outra treinar in loco nos países que possuem as condições climáticas necessárias. Outros são filhos de imigrantes, que representam a nação devido à dupla nacionalidade.

A professora reitera que a chance de medalhas é praticamente impossível. Além das condições climáticas, o recurso que outras nações disponibilizam para a preparação de seus atletas é muito maior que o do Brasil. Ela conta também que os jogos são importantes no meio geopolítico mundial. As duas Coreias começam a mostrar sinais de reaproximação. Um exemplo disso é o fato dessas nações entrarem juntas no desfile na cerimônia de abertura. Além disso, os dois países formaram em conjunto um único time de hóquei feminino.

Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados