Após falhas de organização ninguém quer arcar com ônus das Olimpíadas

Professora comenta situação decadente do Comitê Organizador Rio 2016, que deve pagar obras de reparo das arenas

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

jorusp

O Tribunal de Contas da União determinou que o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos Rio 2016 deve pagar os custos das obras que terão de ser feitas para corrigir danos causados às arenas utilizadas durante o evento. As instalações custaram 7 bilhões e 200 milhões de reais. Agora, o CO diz não ter recursos para arcar com o reparo das estruturas, cujo valor ainda está sendo calculado. A situação do Comitê Organizador não é fácil: após denúncias de corrupção e prisão de grandes figuras a ele ligadas, a entidade não tem fonte de renda e apenas 6 funcionários continuam à sua frente.

Na avaliação de Katia Rubio, professora da Escola de Educação Física e Esporte da USP e membro da Academia Olímpica Brasileira, passados os jogos, ninguém quer se responsabilizar pelo legado material do evento. Katia diz que, desde a organização das Olimpíadas, era necessária a elaboração de um plano de manejo que definisse o uso das instalações e os recursos necessários para sua manutenção, o que não foi feito.

O que temos hoje, segundo Katia, é um “zoológico cheio de elefantes brancos” e uma tentativa de sensibilizar poderes para arcar com os ônus dos jogos. As Olimpíadas, que surgiram como uma tentativa de retirar o Rio de Janeiro de uma decadência institucional e estrutural que vem de décadas, teve resultado contrário, avalia a professora. Nos próximos dias, devem ser travadas batalhas judiciais para decidir quem vai pagar a conta.

Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular. Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados