Acusações contra governo impactam negativamente reforma da Previdência

A opinião é do professor de Direito da USP, Marcus Orione, para quem o governo não tem credibilidade para discutir a reforma

Por - Editorias: Atualidades, Rádio USP
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

As acusações contra o governo de Michel Temer impactam a reforma da Previdência? O professor Marcus Orione, da Faculdade de Direito da USP, responde “sim” a essa questão. Para ele, existem dois tipos de impacto: o primeiro diz respeito à quantidade  de dinheiro que se noticia estar sendo gasta para evitar o acolhimento da denúncia contra o atual presidente – algo em torno de R$ 2 bilhões.

Isso, na opinião de Orione, impacta os cofres públicos, de modo que não há sentido em discutir uma reforma da Previdência em que “não há sequer uma higidez dos valores que acabam sendo gastos para conter denúncias que precisam, sim, ser investigadas”.

O segundo ponto destacado pelo professor refere-se ao atual quadro político, que retira qualquer possibilidade de haver uma reforma da Previdência Social. “Que legitimidade tem o governo, que está tão prenhe de denúncias e que não as deixa ser investigadas em sua exaustão?”, pergunta ele, antes de prosseguir: “Que legitimidade tem um Congresso para realizar uma reforma da Previdência com tantas denúncias também cercando seus membros?”.

Em relação à reforma em si, Orione só tem críticas. Entende que ela prejudica o setor público, o trabalhador rural e os da iniciativa privada. “Ela não consegue ter nenhuma uniformidade no sentido de trazer igualdade social para nenhuma das classes do País”, afirma.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados