Professor Gilson Schwartz fala sobre a política econômica e as expectativas de mudança.

O professor Gilson Schwartz considera que o governo interino de Michel Temer agiu rápido para mudar os termos da política econômica.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

cab_gilson

20161004_economia_colunistagilson
Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Em sua coluna, o professor Gílson Schwartz fala sobre as expectativas de mudanças na economia, com a posse do presidente interino Michel Temer, a nomeação de uma nova equipe econômica e a reestruturação dos ministérios. Ele nota “a inserção da questão da Previdência no Ministério da Fazenda” e um rearranjo da área comercial, fortalecendo uma abordagem bem prática para o Itamaraty e o Ministério das Relações Exteriores.

Ao citar também as mudanças no BNDES, Schwartz observa que o governo interino vem agindo rápido, no sentido de alterar os termos da política econômica.

Quais as chances dessas mudanças de equipe afetarem de modo positivo a economia brasileira, permitindo uma recuperação ?,  pergunta ele. De cara, o professor Schwartz vê dois desafios para o sucesso dessa e de qualquer política econômica: uma interna e outra externa.

No plano doméstico, o fato de ser ainda um governo provisório, estando, portanto, sub judice; do lado externo, surge a necessidade de o País se abrir para o comércio exterior, atraindo investimentos estrangeiros.

Ouça.

logo_radiousp

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados