A ética depende da autonomia para decidir, avalia Renato Janine

O filósofo destaca que o importante é a condição do sujeito compreender o certo e o errado a partir de seu próprio julgamento

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

20161021_etica_colunistajanin3
Foto: Divulgação

O professor Renato Janine Ribeiro inicia sua coluna desta semana com uma elucidação: apenas respeitar um roteiro normativo (Código Civil, Código de Ética etc.) imposto não qualifica uma pessoa automaticamente como ética. Segundo Janine, só se pode classificar alguém como ético quando esta pessoa utiliza seu tempo para avaliar se uma atitude é certa ou errada.

O professor explica que uma decisão ética deve ser autônoma, o que ele define como “dar a si próprio a própria lei”. O ser ético é capaz de medir os prós e contras de uma situação para chegar a uma resolução que ele ache justa. Janine lembra, entretanto, que a criação de um código de conduta pessoal que beneficie somente o indivíduo não é ética, uma vez que, fundamentalmente, toda a ética está embasada no princípio de igualdade.

Ouça a coluna completa do professor:

logo_radiousp

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados