A consciência, esta nossa (des) conhecida

Segundo Ciro Marcondes Filho, com Descartes inicia-se aquilo que se chamou de “autonomia do eu”

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

cab_ciro_marcondes

logo_radiousp790px

Representação gráfica de consciência do século XVII – Ilustração: Robert Fludd via Wikimedia Commons
Representação gráfica de consciência do século 17 – Ilustração: Robert Fludd via Wikimedia Commons

A aventura do homem neste planeta não seria a mesma sem algumas indagações vitais, que o diferenciaram dos outros seres vivos. Uma delas foi a questão da consciência,

preocupação sobre a qual o filósofo francês René Descartes debruçou-se já no século 17. Autor da célebre frase “penso, logo existo”, ele acreditava que, para se chegar à verdade, era preciso destruir as chamadas certezas provisórias.  Filósofos e pensadores como Karl Marx, Jean Paul Sartre e Sigmund Freud também se preocuparam com o tema em seu devido tempo.

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados