A cidade contra os pichadores

Para a professora Raquel Rolnik, a atitude de “cobrir” as pichações constitui um gesto autoritário, justamente quando o diálogo deveria prevalecer

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

logo_radiousp790px
.

Foto: André Tambucci/ Fotos Públicas
Foto: André Tambucci/ Fotos Públicas

Será que sabemos qual é o limite entre o grafite e a pichação? Ambas as expressões são transgressoras e típicas de grupos sociais marginalizados. Mas, queira-se ou não, também fazem parte do cenário artístico e cultural da cidade. Assunto desta semana da professora Raquel Rolnik, colunista da Rádio USP.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados