A cidade contra os pichadores

Para a professora Raquel Rolnik, a atitude de “cobrir” as pichações constitui um gesto autoritário, justamente quando o diálogo deveria prevalecer

 16/02/2017 - Publicado há 5 anos

logo_radiousp790px
.

Foto: André Tambucci/ Fotos Públicas
Foto: André Tambucci/ Fotos Públicas

Será que sabemos qual é o limite entre o grafite e a pichação? Ambas as expressões são transgressoras e típicas de grupos sociais marginalizados. Mas, queira-se ou não, também fazem parte do cenário artístico e cultural da cidade. Assunto desta semana da professora Raquel Rolnik, colunista da Rádio USP.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.