Ansiedade poderá afetar 10% de crianças e adolescentes

Especialista da USP explica como detectar os sinais e diagnosticar a doença, conhecida como “mal do século”

  • 16
  •  
  •  
  •  
  •  

A ansiedade, comum e recorrente na vida adulta, atinge aproximadamente 9% de todos os brasileiros, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). O transtorno vem sendo detectado em pessoas cada vez mais jovens. Pesquisa do professor Fernando Asbahr, da Psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP, revela que aproximadamente 10% de todas as crianças e adolescentes têm ou irão ter algum tipo de ansiedade.

O transtorno de separação é o caso mais comum: as crianças não conseguem se separar dos pais e costumam ter dificuldades de se adaptar nas escolas. O professor explica que o grau de intensidade do problema é medido pelo quanto ele influencia na rotina do jovem, ou seja, a ansiedade consiste em casos repetitivos nos quais a criança deseja muito fazer algo (seja ficar sozinha ou dormir na casa de um amigo), mas não consegue.

Asbahr explica que a doença é difícil de ser diagnosticada, por ser silenciosa e sem grandes expressões, diferente da hiperatividade, que é facilmente reconhecida. Para o especialista, a maioria dos casos pode ser tratada apenas com terapia cognitiva comportamental. Essa linha de tratamento é extremamente eficaz e deve envolver a participação dos pais. Somente em quadros graves é indicado o uso de medicamentos.

O Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

 

 

.

  • 16
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados