Islamofobia não pode ser resposta para homofobia

Francirosy Campos Barbosa – FFCLRP

Por - Editorias: Artigos
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
“Um atirador abriu fogo dentro de uma boate voltada ao público LGBT em Orlando, na Flórida, nos Estados Unidos, na madrugada deste domingo (12). A polícia diz que há cerca de 50 mortos no interior da casa, chamada Pulse, e pelo menos outras 53 pessoas ficaram feridas” (Portal G1, 12.6.16)

Francirosy Campos Barbosa é pós-doutoranda pela universidade de Oxford, docente do Departamento de Psicologia da FFCRP, integrante da Rede Não Cala e organizadora do livro Olhares Femininos sobre o Islã: imagens, etnografia e metodologias - Foto: Divulgação

Francirosy Campos Barbosa é pós-doutoranda pela Universidade de Oxford, docente do Departamento de Psicologia da FFCLRP, integrante da Rede Não Cala e organizadora do livro Olhares Femininos sobre o Islã: imagens, etnografia e metodologias – Foto: Divulgação

O que a morte de 50 pessoas na boate Pulse tem a ver com o Islã? Nada. Entretanto, o leitor pode dizer: o atirador era de família muçulmana, então era muçulmano, portanto, foi mobilizado pela regra do Islã, que vê na homossexualidade um interdito. Sim, o Islã vê na homossexualidade um interdito, assim como, o Judaísmo e o Cristianismo e todas elas religiões monoteístas. Mas, não se resolvem crimes de homofobia com islamofobia.

Em primeiro lugar, vamos diferenciar muçulmano de fiel, categorias que ouço no campo e que faz sentido no contexto religioso. Se autodeclarar muçulmano não é o mesmo que ser fiel, porque, o primeiro significa que a pessoa nasceu na religião ou se converteu à mesma, o fiel é aquele que pratica a religião, segue seus dogmas. Da mesma forma que muitos brasileiros dizem: “sou católico não praticante”, há também os “muçulmanos não praticantes”, como era o caso desse atirador, basta ler os vários relatos sobre a sua personalidade.

“Toda alma é depositária das suas ações” (Alcorão 74:38)

Ao dizer que a homossexualidade é interdita estou pontuando uma regra islâmica que separa o comportamento entre lícito (halal) e ilícito (haram). A sexualidade no Islã é halal quando se trata de casais (homem e mulher casados); por sua vez, a homossexualidade ativa é interdita, ao contrário da homossexualidade passiva. Entende-se por ativa aqui, quando a homossexualidade é exposta, incentivada, pública, isto é, tem a prática sexual; a passiva, por sua vez, reconhece a sua orientação, mas não estabelece nenhum contato sexual.

Em seu livro Le génie de l´islam” Tariq Ramadan (2016) faz ponderações discordando de algumas leituras literalistas que apontam todo homossexual como não muçulmano. Ele se coloca contrário a isso, dizendo que a restrição está na publicização, como apontei acima, e também considera que no Alcorão o julgamento se refere ao ato e não à pessoa. Nesse sentido, retomo a premissa de que um muçulmano-a homossexual não deixa de ser muçulmano-a pelo ato em si, mas sim, quando não reconhece que este ato seja ilícito na cosmologia islâmica.

Sim, o Islã vê na homossexualidade um interdito, assim como, o Judaísmo e o Cristianismo e todas elas religiões monoteístas. Mas não se resolvem crimes de homofobia com islamofobia.”

Podemos dizer que esse é o consenso geral das tradições islâmicas,  sunita ou xiita. No Irã, por exemplo, autoriza-se a mudança de sexo, mas sabe-se que muitas pessoas optam por fazê-la não por vontade própria, mas para seguir uma normativa do sistema islâmico do país. Neste caso, percebe-se que o tratamento ao tema se restringe ao aspecto da transexualidade e hermafroditismo[1] (khuntha), assim como homens “afeminados” (mukhannath), conforme apresenta em seu texto Mohammad Hashim Kamali[2].

Hoje em dia, temos uma série de pesquisadores-as muçulmanos-as que se debruçam sobre a temática de um “Islã Progressista ou Islã Inclusivo”, tal qual consideramos na academia, que significa a preocupação com as realidades LGBTQIAs[3] em comunidades islâmicas; alguns nomes importantes para este debate são: Amina Waduh, Asma Barlas, Ludovic Muhamed Zahed, entre outros.

Claro que nada do exposto resolve a questão, nem tenho pretensão de fazê-lo em tão pouco espaço textual, apenas aceno para alguns pontos a fim de que militantes LGBTQIAs e muçulmanos-as possam dialogar sem os entraves que a questão possa colocar. Considerei interessante o comentário feito por Luiza Coppieters (professora de Filosofia, militante feminista e LGBT) no meu post do Facebook (22/06/16) quando eu anunciava a escrita deste texto:

“Há um jogo político na disputa Mundo Ocidental vs Mundo Islâmico que quer marcar ideologicamente o Ocidente como um lugar de liberdades individuais, como a existência de LGBT, enquanto o Mundo Islâmico é O mal e fruto de todas as mazelas da humanidade? Isto é, jogam com as questões LGBT pra tentar se diferenciar com o que seria o MI.” [sic]

O comentário de Luiza nos faz retomar o tema deste artigo A Islamofobia não pode ser a resposta para Homofobia, o jogo político fica evidente no caso de Orlando quando o reforço da identidade do atirador como muçulmano ganha projeção. É fato que muitas lideranças LGBTQIAs se colocaram contra esta associação fácil do “muçulmano terrorista”, e o comentário de Luiza, a meu ver, também vai contra esta aproximação entre Islã e terrorismo.

No Irã, por exemplo, autoriza-se a mudança de sexo, mas sabe-se que muitas pessoas optam por fazê-la não por vontade própria, mas para seguir uma normativa do sistema islâmico do país.”

Há grupos de muçulmanos, cito aqui o Coletivo de Muçulmanas e Muçulmanos Contra Golpe, entre outros, que também se colocam contra a homofobia e qualquer outro tipo de perseguição que interfira na dignidade humana: xenofobia, intolerância religiosa, misoginia.

O pressuposto utilizado pelo grupo é exposto no próprio Alcorão: “Se alguém matar uma pessoa seria como se ele matasse toda a humanidade, e se alguém salvar uma vida, seria como se ele salvasse a vida de toda a humanidade”(5: 32). Neste sentido, a tragédia ocorrida em Orlando é completamente anti-islâmica e foge aos preceitos da religião.

No adab (comportamento) islâmico não cabe qualquer tipo de discriminação. O fato de ser interdita a homossexualidade não dá o direito a outros-as muçulmanos-as de fazerem comentários maldosos, aliás, no Islã isto é considerado fitna (julgamento moral que pode desqualificar uma pessoa), que vai na contramão do adab islâmico.

É preciso tomar cuidado com o que se fala de uma outra pessoa muçulmana ou não muçulmana. Em sendo assim, podemos considerar que a dignidade humana é regra alcorânica, retomando o exposto acima de que o ato é errado (ilícito, haram) na cosmologia islâmica, mas a pessoa deve ser respeitada em sua integridade.

E, para finalizar, cabe ressaltar que muçulmanos-as repudiaram e lamentaram o atentato ocorrido em Orlando, Flórida; por isso, não se pode apelar à islamofobia para se responsabilizar um ato tão bárbaro que atinge a todos. Para os-as muçulmanos-as é claro o entendimento da passagem do Alcorão: “Todos comparecerão ante Deus!” (14:21)

[1] Aqui podemos entender como Intersexualidade.

[2] Disponível em http://goo.gl/1IxszE.

[3] Lesbian, Gay, Bisexual, Transsexual, Queer, Intersex, Asexual.

 

 

 

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail